Oh, the Places You’ll Go! by Dr. Seuss.

I’m afraid that some times
you’ll play lonely games too.
Games you can’t win
’cause you’ll play against you.

All Alone!
Whether you like it or not,
Alone will be something
you’ll be quite a lot.

And when you’re alone, there’s a very good chance
you’ll meet things that scare you right out of your pants.
There are some, down the road between hither and yon,
that can scare you so much you won’t want to go on.

But on you will go
though the weather be foul
On you will go
though your enemies prowl
On you will go
though the Hakken-Kraks howl
Onward up many
a frightening creek,
though your arms may get sore
and your sneakers may leak.

On and on you will hike
and I know you’ll hike far
and face up to your problems
whatever they are.

You’ll get mixed up, of course,
as you already know.
You’ll get mixed up
with many strange birds as you go.
So be sure when you step.
Step with care and great tact
and remember that Life’s
a Great Balancing Act.
Just never forget to be dexterous and deft.
And never mix up your right foot with your left.

And will you succeed?
Yes! You will, indeed!
(98 and 3 / 4 percent guaranteed.)

Oh, os lugares que você irá! por Dr. Seuss

Receio que em alguns momentos
você também vai jogar jogos solitários.
Jogos que você não pode ganhar
Porque você vai jogar contra você mesmo.

Completamente sozinho!
Quer você goste ou não,
Sozinho vai ser algo
que muitas vezes você vai ficar.

E quando você estiver sozinho, há uma boa chance
que você irá encontrar coisas que assustarão até seu último fio de cabelo.
Há coisas, no caminho entre aqui e ali,
que podem assustá-lo tanto que você não vai querer ir em frente.

Mas você vai continuar
apesar do mau tempo
Você vai continuar
embora seu inimigos estejam a espreita
Você vai continuar
embora o uivo dos Hakken-Kraks*
Você vai prosseguir                                                                                                                                                  em um riacho assustador mais adiante,                                                                                                    embora seus braços fiquem doloridos                                                                                                                 e seus tênis podem furar.

Adiante você vai caminhar
e eu sei que você vai caminhar muito
e enfrentar os seus problemas
sejam eles quais forem.

Você vai se confundir, é claro,
como você já sabe.
Você vai se confundir
com muitos pássaros estranhos enquanto você caminha.
Então esteja seguro quando você pisa.
Pise com cuidado e muito tato
e lembre-se de que a vida é
um Grande Ato de Equilíbrio.
Só nunca se esqueça de ser hábil e ágil.
E nunca misturar o seu pé direito com o esquerdo.

E você vai ter sucesso?
Sim! Você vai, de fato!
(98 e 3/4 por cento garantido.)

*Hakken-Kraks são gigantescos monstros marinhos do universo do Dr. Seuss.

Via Script mag

Papiroflexia

Junho 10, 2013

🙂

Seja uma coruja

Abril 20, 2011

Quando eu vi essa imagem salvei no comp na hora, pois quando eu era pequena meu sonho era virar uma coruja pelo simples motivo que uma coruja pode virar a cabeça 360 graus, hehehe e porque elas são fofas e dormem de dia e ficam acordadas de noite =D Sempre que eu falava que queria ser uma coruja as pessoas me olhavam com aquele olhar de “que estranho…” mas olha só, parece que eu não sou a única hahaha 😉

“Ser humano é tão cansativo. Então seja uma coruja.” 🙂

Não sei a fonte

O que acontece…

Abril 5, 2011

Uma das minhas cenas preferidas

“Você acha que ela gosta de rosas?”

“É “ela”?

“Sim, as fêmeas são maiores e menos coloridas.”

“O que acontece quando morremos?”

“O que acontece? Nós voltamos para o lugar de onde viemos.”

“Eu não me lembro de onde eu vim.”

“Nem eu.”

“Ela parece muito pequena.”

“Sim, sim, essa é uma das coisas que acontece, nós parecemos menores.”

“Mas com muita paz.”

Irmã: “Acabou? O funeral do pássaro acabou? Nós não vamos poder tomar chá, só porque chegamos mais cedo?”

Virgínia: “Não, claro que não.”

 

 

 

Reflexões sobre o passarinho

Fevereiro 23, 2011

Um passarinho pousa na grade da janela, olha para a pessoa dentro da cozinha, pula para dentro, balança a cabecinha, salta de novo na grade e vai embora.

Como esta cena é interpretada por pessoas diferentes:

Uma pessoa racional – “Ele deve ter pensado que tinha comida por aqui.”.

Uma pessoa romântica – “Ele veio para me inspirar.”.

Uma pessoa otimista – “É o universo me dizendo que a vida é bela e tudo vai ficar bem.”.

Uma pessoa pessimista – “Aposto que ele fez porcaria na minha janela.”.

Homer Simpson – “Esse passarinho gordinho daria um bom assado.”.

Uma bailarina – “Vamos dançar juntos pássarinho.”.

Um adulto com alma de criança – “Passarinho, passarinho, passarinho =D o/ uhuuu pousou na janela!!!!!”.

Uma criança – “Será que ele volta (meia hora esperando ele voltar)”.

Um apaixonado – “Que lindo passarinho!”.

Uma pessoa triste – “Até o passarinho não quis ficar comigo.”.

Um escritor – “O animal de estimação do meu personagem vai ser um passarinho.”.

Uma fada – “Vamos voar juntos!”.

Uma bruxa – “Penas de passarinho podem servir para a minha poção.”.

A pessoa que está escrevendo – “Olha o passarinho, que fofo! Quer vir tomar um café comigo? :) Espero que ele volte.”.

Bailarosa

Fevereiro 23, 2011

Era uma vez uma rosa branca. Ela nasceu por acaso no meio de lírios, como todos sabem, os lírios são bailarinos.

Por isso que na natureza eles são conhecidos como “bailalirios”. De qualquer forma, a rosa branca sonhava durante o dia e de noite se maravilhava com o espetáculo dos seus vizinhos. Seu sonho era dançar como eles, mas eles falavam “Rosas não dançam. Principalmente as brancas!”

Devo dizer que esses comentários deixavam a pequena rosa muito triste. Mas ela não se deixou convencer e todas as noites observava com atenção a dança dos lírios e tentava repetir os movimentos. Uma certa noite, um dos lírios viu a pequena rosa se movimentando e falou “Você não pode se dobrar desse jeito, faz assim, como eu.”. A pequena rosa era só felicidade, finalmente um lírio resolveu lhe ajudar.

Assim, todas as noites ela se aproximava do lírio que a ajudava, não posso dizer que o lírio era carinhoso com ela, porque não era. E por isso a rosa resolveu perguntar “Por que você me ajuda se não acredita em mim?”.

“Porque me doía as pétalas ver você dançando daquele jeito. Mas devo admitir que você está pegando o jeito da coisa.”

A pequena rosa ficou em êxtase com esta observação. Elas continuaram treinando todas as noites. Mas a rosa não praticava só a noite, durante o dia ela fazia exercícios e praticava, enquanto os lírios dormiam ou faziam outras coisas.

Certo dia todos os lírios estavam muito agitados, a rosa perguntou o que estava acontecendo “Em que mundo você vive?”. Perguntou um deles “Daqui uma semana entramos na primavera e temos que fazer o nosso show. Quando começamos o show, os pássaros começam a chegar e dançam com aquele que eles consideram o mais gracioso bailalirio.”

Vendo o olhar perdido e sonhador da pequena rosa, o lírio adicionou uma gota de veneno “Mas você não precisa se preocupar com isso, afinal sua dança é só por diversão. Deve ser bom já saber que os pássaros não vão te escolher, assim você nem fica nervosa.”.

A rosa branca teve um momento de tristeza, um de raiva, um de pena de si mesma seguido de depressão e depois mais raiva. Sua “professora” a viu e em um canto e foi até ela “O que você está fazendo aqui? Temos que treinar a coreografia.”.

“Eu faço parte da coreografia?”. Perguntou a rosa quase sem acreditar nas palavras que saiam da sua boca.

“Você acha que eu sou o tipo de lírio que perde tempo com rosinhas inseguras? Nem precisa responder, eu acho que você treinou muito e tem o direito de participar da coreografia, mas você quem sabe.”.

O lírio estava indo embora quando a rosa foi atrás dele e dizendo que queria muito participar.

A coreografia era mais fácil do que a pequena rosa tinha imaginado, mas é claro que elas tinham que praticar muito até ficar realmente boa. Porém,  para a surpresa da nossa amiga, parecia que só ela achava que os ensaios eram importantes. Os lírios ensaiavam umas ou duas horas e depois iam fazer outras coisas, como arrumar as pétalas e falar sobre como seria excitante se os pássaros voassem com um deles.

A rosa foi atrás da sua “professora”, mas essa também parecia não estar preocupada com a coreografia, pois ela era realmente inquieta com a sua apresentação solo. O motivo pelo qual ela tinha uma apresentação solo, era porque na primavera passada os pássaros a escolheram.

Sendo assim, a rosa praticava sozinha, passava horas e horas ensaiando a coreografia do começo ao fim.

Finalmente o grande dia chegou, todos eram nervosos. Elas começaram a dançar e os pássaros começaram a chegar. A pequena rosa ficou muito surpresa com os erros que os outros bailalirios faziam, mas mesmo assim continuava a sua dança dando o melhor de si. No meio da apresentação elas pararam em pose, era o momento do solo. Pela primeira vez, a rosa não se sentiu inferior a sua “professora”, ou em relação a qualquer  lírios. Não que eles não estavam dançando bem, mas era longe de ser um espetáculo divino.

De qualquer jeito, o solo acabou e elas fizeram a última parte da coreografia, era nessa parte que os pássaros deviam começar a dançar com um deles.

A pequena rosa estava concentrada em não cair, enquanto se equilibrava na ponta de uma de suas folhas, quando viu uma asa perto dela, levantou o olhar e viu os pássaros voando entre elas, mas ela não podia ver em torno de quem “Deve ser alguém perto de mim.”. Ela pensou.

Continuou a dança, faltavam só alguns passos para terminar, no seu último movimento percebeu que os pássaros estavam bem perto dela “Não, não pode ser. Voam perto de mim!”. Ela se sentiu tão esplendorosa que continuou a dançar até depois que a coreografia já tinha terminado.

Porém, pouco a pouco, ela foi parando, ao ver as caras feias dos lírios em torno dela e dos pássaros. Quando eles pararam de dançar um dos lírios se aproximou e disse “Vocês estão loucos? Ela nem é um bailalirio de verdade!”.

“É verdade, ela não é um bailalirio” Disse um dos pássaros “Ela é uma bailarosa.”.

“Não importa o que vocês dizem, ninguém pode nos convencer que essa aí é a que dança melhor.”

“E quem disse que nós escolhemos aquela que dança melhor? Escolhemos aquela que dança com a alma. Pois é isso que faz a diferença. É fácil saber a técnica, é fácil ser naturalmente graciosa, mas só quem dança com alma consegue fazer com que os outros tenham vontade de dançar também.”.

Depois dessa afirmação os pássaros e a pequena rosa branca dançaram e dançaram por muito tempo. E para o desespero dos lírios, depois daquele dia, outras rosas começaram a nascer por ali. Ou melhor, outras bailarosas, pois todas eram delicamente apresentadas a dança pela pequena rosa branca.